Ernesto Bonato encerra a programação do Projeto Retratos Contemporâneos

O encerramento da programação do Projeto Retratos Contemporâneos ficou por conta do paulista Ernesto Bonato. Na manhã de 12 de novembro, a Prática Aberta começou com uma conversa sobre tudo o que aconteceu na semana de encontros, como a vivência e as ricas trocas que foram realizadas. Em seguida, Bonato propôs uma sessão de pintura. 

“Eu acredito que a melhor forma de aprender e se entusiasmar com a arte, é botar a mão na massa”, afirmou. Os participantes aproveitaram o momento para aprender uns com os outros. A manhã teve muita conversa e nela todos eram modelos e pintores. “O outro pode ajudar a gente a criar uma situação de descoberta e desenvolvimento de saber próprio”, acrescentou. 

O compartilhamento de inquietações e a harmonia foram marcantes em todos os encontros das Práticas Abertas. Durante o processo de pintura também foi o momento de olhar para tudo o que ocorreu nesta intensa semana e ver o quanto se aprendeu com os envolvidos. 

A arte é feita de simplicidade e do desejo de se comunicar com o outro. “Quando se começa a rebuscar tudo o que fazemos com referências e conceitos absurdos a gente gera um ruído”, refletiu. 

Pintar é estar atento e se fazer presente. A renovação é uma necessidade constante, pois a tradição é algo que tem de estar vivo na atuação. “É mais importante, para mim, estimular essa paixão pela pintura do que transmitir um conhecimento”, finalizou Ernesto. 

A AÇÃO 

O Projeto Retratos Contemporâneos promoveu uma semana intensa de encontros marcados pela construção coletiva. A partir do retrato pictórico debates sobre história da arte, técnica, ética e poéticas artísticas foram realizados. O Projeto foi proposto por Éder Oliveira e viabilizado pelo Programa Rede Nacional Funarte de Artes Visuais 2015, do Ministério da Cultura. 

 *Por Debb Cabral (ASCOM)       

Using Format